Sempre tive vontade em ir em todas as regiões do mundo, mas até junho de 2013, eu ainda não tinha entrado no Círculo Polar Ártico. Previamente, já fui na Islândia e em Nuuk que é a capital da Groenlândia, mas mesmo assim essas duas localidades não fazem parte desse território. Tive que adentrar mais ao topo do nosso planeta. Foi aí que resolvi pegar um voo até a Ilha de Svalbard que pertence a Noruega e está apenas a 1.300km de distância do Polo Norte.

O maior assentamento está em Longyearbyen, que é a capital da ilha e é o local mais caro que já fui em toda minha vida. Muitos turistas viajam ao arquipélago trazendo consigo toda comida, e no meu caso não foi diferente.

Poste de quilometragem em frente ao aeroporto

Svalbard é bem conhecido por ser um dos melhores lugares do mundo para avistar o urso polar e é claro que não podia perder a chance de tentar ver o maior predador terrestre da Terra de perto.

Em um dos meus dias na ilha, resolvo sair para explorar os arredores da capital. Não é recomendado sair da vila sem arma, pois ataque de urso pode acontecer. Recentemente, duas garotas que foram no mesmo lugar que eu estava indo, foram atacadas por um urso polar. Uma das meninas morreu e a outra teve que pular de um penhasco para não ser morta pelo animal. A segunda sobreviveu, mas o dano psicológico de ver a melhor amiga sendo devorada por um urso polar é irreversível.

 

Mesmo assim sabendo dos riscos, fui. Minha adrenalina por aventura as vezes ultrapassa a razão. Eu estava sozinho e nem possuía uma arma. A única coisa que eu poderia fazer era correr desesperadamente. Para isso eu mantia minha visão sempre no horizonte, nunca abaixava a cabeça, ou então eu poderia também virar comida de urso.

Trekking em Svalbard

Depois de algumas horas, encontro um homem mais idoso, barba grande e branca. Ele estava sozinho com seu cachorro. Com uma feição surpresa o homem me pergunta? – Você está aqui sozinho e sem arma? Você só pode ser doido mesmo! Bem, o que eu poderia contestar? Nada. Esse senhor tinha razão. Eu não deveria estar ali, mas por outro lado fiquei feliz em encontra-lo.

Passamos o dia juntos explorando a região. Fomos em planícies com neve, atravessamos rios congelados, subimos montanhas e muito mais. Aprendi muito com esse homem tão experiente. Eu estava muito feliz em ter feito essa amizade e sei que ele também estava, pois eu era o primeiro brasileiro que este senhor conversava e ele estava bem curioso para saber mais sobre meu país.

Ao chegar as 23:00 horas, retornamos a vila sem sucesso deter avistado um urso polar. Sentamos encima de duas rochas e esperamos até as 00:00 para admirar o sol da meia-noite.

Momento exato do Sol da Meia Noite

No outro dia fui até um lugar onde oferecia aos turistas passeio de trenó puxado por cães. Eu não queria pagar uma fortuna para fazer essa atração. Então ofereci aos proprietários para que eu trabalhasse o dia no local, já que eu tinha experiência com o animal, pois na época eu possuía 15 cachorros na chácara no Brasil.

Estávamos na alta temporada, e é claro que minhas habilidades foram requeridos. Que dia perfeito! Passei até a noite trabalhando e brincando com mais de 30 huskies.

O meu tempo na Ilha de Svalbard foi precioso. Guardo as lembranças com carinho. Um lugar recomendado para todos aqueles que querem aventurar no topo do mundo.